Como você iniciou sua carreira ?

   Eu sempre quis ser jornalista, fiz a faculdade, me formei em jornalismo e logo no começo da faculdade procurei bastante estágio  para eu já ir me inserindo no mercado, ganhando experiências, durante a faculdade eu trabalhei muito nos jornais, nas rádios da  própria universidade. Depois consegui espaço no mercado fiz estágio na TV Bandeirantes, em algumas assessorias, logo depois as portas foram se abrindo, mas já comecei a trabalhar desde o início da faculdade  não fiquei parado em momento algum sempre procurando estágio. Quando eu formei  eu trabalhei um tempo no Estado de Minas, Rádio 98, até chegar a Itatiaia, mas o principal segredo para mim. Foi fundamental na minha carreira ter começado a trabalhar e fazer estágio desde cedo, desde o início ir buscando espaço, não perdi tempo e isso foi muito importante para mim.

 

Conte-me uma experiência que você teve que marcou muito?

 

   Já tem um seis anos mais ou menos que eu estou na Itatiaia, e fora os outros lugares que já trabalhei antes, mas são muitas experiências marcantes por que eu sempre sonhei  em trabalhar com futebol  e a Itatiaia nos dá oportunidades únicas  de viajar, fazer jogos, brilhantes competições, então tem muita coisa que eu poderia citar, mais a coisa mais marcante para mim foi poder cobrir uma Copa Do Mundo de perto pela Itatiaia, fazer os grandes jogos, ainda mais sendo do nosso país e isso para mim vai ser inesquecível,  os 7X1 que pode ter sido ruim o placar para gente, mas jornalisticamente é muito marcante, um fato histórico, fazer  final de copa do mundo como eu te falei. Poderia citar várias experiências, mas a que mais me marcou  foi essa  de cobrir a final da Copa Do Mundo, a gente trabalhava 24 horas por dia, durante todo o período da copa na verdade começando um pouco antes trabalhando um pouco depois, jornalistas do mundo inteiro, viajar o Brasil inteiro, ver um grande evento do seu país, esses jogos em particular para quem gosta de futebol, são muito marcantes, você vê o Messi, Cristiano Ronaldo, Seleção Brasileira então a coisa mais marcante até agora foi  a Copa Do Mundo.

 

Quais foram os desafios que você teve na sua carreira?

 

 

 

 

 

 

    É muito difícil trabalhar na área de futebol, porque envolve muita paixão, um dos desafios é você sempre conseguir ter calma, manter um distanciamento, a tal e tão decantada  imparcialidade, mas manter uma estabilidade emocional, de no início não ficar tão chateado com críticas de torcedor por que uma coisa muito normal no nosso meio, os narradores, comentaristas, repórteres, são muitos questionados de forma ás vezes muito justa pelos torcedores  não é maldade do cara  ele é movido a muita paixão e não entende a sua opinião. Então acho que um desafio  muito grande principalmente nessa era de rede social, como as pessoas tem muito contato com a gente é você saber, lidar com o público, com o torcedor, ter calma, saber não ficar bravo, chateado com umas críticas e entender que o cara é apaixonado e que faz parte. É um desafio que com um tempo você aprende a lidar. Foi um dos desafios entre vários outros, por que nós recebemos muita mensagem, contato do torcedor, então é difícil, no início saber lidar com tantas manifestações, mas aos poucos a gente aprende.

 

 

Qual a dica que você dá para aqueles que estão começando, aqueles que  vão entrar nessa carreira de jornalismo?

Uma dica que eu sempre dou, apresento muitas palestras em universidades, eu acho ás vezes complicado, a gente dá  uma dica mais geral, porque ás pessoas tem formas diferentes, prioridades diferentes, ás vezes um jornalista prefere TV, outros preferem rádio e  ás vezes os conselhos precisam ser mais específicos, uma coisa que eu falo em geral  é que a pessoa desde o tempo da faculdade ela já tem que tentar se diferenciar, começar a trabalhar, mesmo que não seja um trabalho formal num veículo, mas aproveitar a estrutura da faculdade, procurar correr atrás. A maioria das pessoas que estudaram comigo que eu vejo e estão no mercado, elas durante a faculdade, já produziam programas de rádio por conta própria, escreviam, já simulavam programa de TV,  já iam treinando além do que a faculdade  pede. Além de você fazer faculdade bem  você precisa aproveitar seu tempo, para treinar as situações do mercado. Então chama os seus colegas  mais interessados, faz um programa de rádio, faz alguma coisa na internet, por que quando a oportunidade vai surgir, você vai estar mais pronto, a gente  não pode ficar deixando o tempo passar na faculdade, fazer só o normal, o que o professor pede , tenta fazer algo a mais. Se você já tem um foco uma preferência, eu quero TV, eu quero rádio, acho que você não deve fechar as portas para as outras coisas, deve levar  na maciota as outras matérias, mas talvez dentro das suas prioridades, aprofundar  mais. Não ficar só no passar de ano na faculdade, fazer algo mais, aproveitar o tempo, porque o mercado do jornalismo é muito cruel. É claro que as pessoas, vão entender que você é iniciante, mas se demorar demais, você ficar excitante demais  talvez você perca essa chance. Então estude na faculdade e já treine  para quando a oportunidade aparecer você já estiver mais pronto.

 

Izabela Cardoso

Cadu Doné é escritor, filósofo e jornalista

PERSONAGEM DE UMA HISTÓRIA