Como você iniciou sua carreira ?

Detalhe maior é o seguinte a época que eu comecei realmente não havia curso de jornalismo, sou formado em outra área. Comecei na rádio Jornal de Minas, passei pela rádio Minas, rádio Guarani, fiz plantão na rádio Itatiaia, trabalhei na rádio Tupi do Rio, Jornal Dia do Rio, Jornal dos Esportes do Rio, aqui no Diário de Minas, Jornal de Minas, hoje em dia Jornal dos Esportes também.

 

Conte-me uma experiência que te marcou muito?

 

 No rádio a gente teve várias experiências eu não atuei só no esporte, também atuei na área política, e na área policial, para acho que tudo foi muito válido porque para tudo na vida qualquer coisa que acontece é um aprendizado. Então das experiências boas que eu tive no jornal eu continuo aprendendo até hoje, embora esteja fora aposentado, encerrei mesmo a carreira em 2014 saí do Jornal Esporte do Rio, e não mais mexi com imprensa, mas continuo ligado, aliás, fui Vice Presidente da AMCE duas vezes, e tenho intenção de voltar para a diretoria.

 

Quais os desafios você teve?

 

 

 

 

 

Primeiro desafio para mim eu tenho, outra profissão e para mim era difícil conseguir um meio de equilibrar as duas profissões, mas foi dando um jeito com um chefe aqui e outro lá deu para conciliar, mas o melhor mesmo que dava para eu conciliar por que lá como oficial da Polícia Militar e na parte da manhã e no Jornal, o difícil era quando tinha viagem. Sou Oficial da Polícia Militar, Jornalista e tenho curso na área de administração hospitalar, não exerço mais nada aposentei no estado.

 

Você teve ou tem algum modelo na sua carreira?

     Tenho muitos, Walter Luiz, Paulo Celso, César Rizo, tem lá no Rio Rui Porto, João Saldanha, se for falar vai ser muita gente.

 

Qual é o Conselho que você dá para aqueles que estão ou vão entrar na profissão?

    Nós estamos aí em uma situação que a maioria das empresas, principalmente de jornal impresso estão em crise, eu sinto até certa tristeza porque o menino luta para formar na faculdade e depois não vai conseguir emprego, estamos vivendo uma situação que os jornais estão tendo demissões, então não tem como contratar todo mundo não existe infelizmente, mas cada um tem um sonho, um de querer ser jornalista .Até um detalhe uma vez alguém me fez uma pergunta, e eu fui fazer uma palestra numa escola de jornalismo, me perguntaram se Jornalismo era ótimo eu disse “Gente é pura ilusão, você vê um Faustão da vida, Galvão Bueno que ganha 3, 4 milhões por mês, é um em um milhão, aqui nós temos jornalismo tem o Alexandre Garcia que ganha 300,400 mil por mês ou até mais que isso, mas é um em 300 mil, agora o sonho de querer achar que o Jornalismo enriquece vai morrer com esse sonho.

 

Qual a diferença do jornalismo de hoje para aquele quando você começou?

     Não acho que tem tanta diferença não, a diferença de hoje é que você que fazia cobertura de clube você fazia tudo, corria atrás da informação, fazia uma série de coisas, hoje tem colegas nossos que são assessores de imprensa e passam a informação, mas não sempre detalhada, agora quem é profissional e tem vontade de correr atrás da notícia ele não depende do assessor de imprensa, a única diferença que eu vejo é isso, a diferença de lá para cá é que havia mais oportunidade na época passada, hoje já não há essa oportunidade, o menino saí da faculdade sem saber que rumo tomar.

 

O que a AMCE é para você?

     Na realidade, a AMCE, ela faz um trabalho para a categoria, ideal se ela fosse um sindicato, então brigaria mais pela classe, mas de qualquer maneira eu entendo, ela tentou oferecer, porque também ela não tem uma renda capaz de ajudar mais algum colega que está em dificuldade, que não são poucos, mas infelizmente têm colegas nossos também que pisam na bola, mas de qualquer maneira eu acho que deve continuar existir e brigar pela categoria, defender principalmente o associado e manter esse diálogo do cronista com o clube, as entidades: Federação, CBF. Ela é o elo, de ligação do cronista com as entidades.

 

 

 

 

 

Izabela Cardoso

Édson Batista - Jornalista

PERSONAGEM DE UMA HISTÓRIA