Como você iniciou sua carreira ?

     São 54 anos, comecei na Itatiaia em 1962, já fiz vários programas da rádio, futebol, música. Já fiz o programa Várig é Dona da Noite nos anos 70, mas eu comecei no esporte, já fiz cobertura do América, desde 73 que eu faço cobertura do Atlético. Agora dei uma parada sofri um acidente, mas mesmo assim é porque já estou em uma contagem regressiva. Nesse final de ano provavelmente eu devo parar mesmo porque o pessoal acha que eu entre na política e ser candidato a vereador. Mas dez Copas do Mundo. Comecei em 74 na Copa da Alemanha, e de lá para cá perdi a última, porque o Atlético fez uma excursão na China e eu achei melhor ir para China, e não quis a Copa do Mundo aqui do Brasil então eu parei nas dez.

 

Conte-me uma experiência que te marcou muito?

 

      São inúmeras, o Atlético viajou muito, nos anos 80 o Presidente do Atlético era o Elias Kalil e o Atlético fez umas viagens fantásticas no mês de Agosto que um mês que tinha uma abertura do torneios internacionais e o Atlético participou de inúmeros torneios e a experiência gostosa de ter ido a Europa várias vezes, e trouxe uma experiência muito forte e as próprias Copas do Mundo são experiências diferentes estar em um país diferente. Em 74 foi a primeira que eu fiz apanhei muito, mas aprendi. Experiências de viagens, isso contribui bastante.

 

Qual a diferença do jornalismo de antigamente para o de hoje?

 

 

 

 

 

         Antigamente, você não tinha Internet, Celular, Tablet, tudo o que você imaginar de moderno na minha época não tinha. Hoje vocês, deitam e rolam, porque você quer fazer uma pesquisa você bota lá fulano já saí. A comunicação ficou mais intensa, mais ágil, hoje acontece um fato na China dois minutos já está aí , tem muita gente abusando , tira proveito numa situação. Mas eu não lamento não, porque naquela época que não tinha tudo isso você tinha que se virar. Você se virando você dava mais valor. Tanto que o pessoal que está formando, as empresas estão mandando embora, porque eles já pegam tudo na internet, está difícil pessoal da comunicação.

 

Você tem alguém na sua carreira que você teve ou tem como exemplo?

     Januário Carneiro falecido, diretor da Itatiaia e tem o irmão dele Emanuel Carneiro que é meu irmão começamos juntos, esse tempo todo de carreira é um grande exemplo.

 

O que a AMCE é para você?

    Quando eu entrei para a AMCE em 62,63 ela estava engatinhando, tinha essa quantidade de rádio e pessoal que trabalha que faz. Aquilo que é cobertura e tal, mas de qualquer maneira sempre foi muito brilhante para todos nós.

 

Izabela Cardoso

Roberto Abras – Rádio Itatiaia

PERSONAGEM DE UMA HISTÓRIA