AMCE INFORMA

postado em: Home, Notícias | 0

Futebol e Covid – 19: Responsabilidades e desafios em meio a uma pandemia

Por Adriano Guilherme de Aro Ferreira

 

Recentemente fomos atingidos por uma pandemia mundial. Algo inesperado e imprevisível, que abalou os alicerces da nossa sociedade, com reflexos nefastos nos sistemas de saúde pública mundo afora. É inegável que a rápida disseminação do Coronavírus, vulgo Covid-19, surpreendeu até os mais céticos. No mundo dos esportes, presenciamos a suspensão e o cancelamento de diversos eventos, tais como Fórmula 1, NBA, Copa América, Eurocopa, Champions League e as Olímpiadas de Tóquio.

Não pretendo, aqui, expor as implicações do Coronavírus para a economia mundial ou para o mundo dos esportes. Quero apenas chamar a atenção do leitor para uma realidade muito particular: a do futebol mineiro. Infelizmente, em Minas Gerais, tivemos que suspender a realização de partidas, com reflexos negativos para clubes, atletas, árbitros, dirigentes e toda a cadeia do futebol. Poucos sabem, mas o futebol é responsável por um mercado indireto que movimenta milhares de profissionais: jornalistas, médicos, advogados, administradores, comerciantes, agentes de turismo, funcionários do setor hoteleiro etc. Todas essas pessoas tiveram sua fonte de renda abruptamente interrompida e ficaram (como todos nós) confinados em suas casas.

Estamos diante de um cenário quase apocalíptico, onde as pessoas se encontram sem norte, sem direção. Não existe, por parte de nossos órgãos de saúde, qualquer previsão de retomada das atividades como estávamos acostumados. A única certeza é que devemos seguir as recomendações médicas para evitar a propagação do contágio: manter distância segura de outras pessoas (um metro e meio), lavar as mãos frequentemente, usar álcool gel, não ter contato com pessoas do grupo de risco e evitar sair de casa. É claro que, nessa hora, ajuda muito tentar manter uma rotina saudável, com horário certo para levantar, estudar, trabalhar, aproveitar o convívio familiar (quando possível), se divertir, rezar e praticar alguma atividade física.

Mas, voltando para o ponto central, apesar de estarmos em regime de isolamento social, não deixamos de ter nossas responsabilidades habituais. Em alguns casos elas se tornam ainda maiores e mais urgentes. Aqui, em que pese os campeonatos de futebol estarem paralisados, existem vários problemas que demandam solução urgente. O que fazer para minimizar o impacto do confinamento? Como fica a situação dos atletas? É possível fazer algo para ajudar os árbitros? Será necessário alterar a fórmula dos campeonatos? São todas questões complexas, que não possuem uma solução simples. Na maioria das vezes, a solução ideal demandará trabalho e empenho de muitas pessoas. Tudo isso precisa ser feito, apesar do confinamento.

Diante de tantas incertezas e inseguranças, nos resta trabalhar com as informações e materiais que temos à nossa disposição. Por isso, aqui, seguimos nos preparando para retomar a todo o vapor nossos campeonatos (tão logo seja possível), sem deixar de prestar auxílio e solidariedade àqueles que precisam do nosso apoio e da nossa ajuda. São telefonemas, videoconferências, emails, entrevistas, reuniões etc., para tentar encontrar maneiras de minimizar os impactos dessa pandemia. Infelizmente não sabemos quando poderemos retomar plenamente nossas atividades, mas queremos estar preparados.

Como diz o velho ditado: “o que não nos mata, nos fortalece”. Momentos como esse servem para nos ajudar a criar mais resistência, testar nossas forças e determinação, vencer desafios nunca imaginados. Olhando sob uma ótica realista, estamos vivendo uma oportunidade de crescimento pessoal e coletivo. Não sei quando venceremos o Covid 19, mas tenho certeza de que sairemos dessa batalha muito melhores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *